segunda-feira, 30 de maio de 2011

O ABC DA CORRUPÇÃO NOS MUNICÍPIOS (3)

DECLARAÇÕES DE INOCÊNCIA, USO 
DA RELIGIÃO E REAÇÃO DOS DENUNCIADOS
Mesmo confrontados com provas contundentes, os corruptos sempre negam o crime. Isso é padrão. Declaram inocência com muito cinismo e sem qualquer escrúpulo. À medida que as denúncias vão se acumulando e as provas surgem, os administradores desonestos e seu grupo lançam mão de diversos métodos de reação, procurando impressionar a população e silenciar os denunciantes. Apelam para declarações teatrais e assumem o papel de vítimas de perseguição política. Também partem para o constrangimento, por meio de ameaças e mesmo pelo uso de violência física contra os denunciantes. Tentam difamá-lo, tentam investigar as suas vidas para ver se acham algum fato que possa constrangê-lo. Uma das formas usadas para abalar a convicção de parte das pessoas é a utilização de frases e temas religiosos. Com o intuito de provocar comiseração, os denunciados recorrem a declarações em que invocam a justiça divina e lêem salmos e orações antes de se pronunciara respeito das denúncias. Essas atitudes levam muitos a ficar em dúvida, pois não conseguem identificar nisso a operação de uma estratégia concebida deliberadamente para confundir o público. 
No caso de Ribeirão Bonito, muitas vezes as pessoas religiosas se mostraram estremecidas diante das palavras do prefeito, que declarava inocência apelando para imagens de cunho religioso. Isso acontecia porque, àquela altura, a comunidade ainda não tinha acesso às provas e aos documentos de que a Associação dos Amigos de Rio Bonito (Amarribo) dispunha. As provas, manipuladas pelos meios de informação controlados pela autoridade municipal, não chegavam às diferentes comunidades religiosas, as quais tendiam a esquivar-se da controvérsia que necessariamente se instalou. As declarações teatrais de inocência, a posição de vítima perseguida, as ameaças claras e veladas feitas diretamente ou por meio de emissários ou parentes, ou até mesmo a violência física, podem constranger pessoas e reduzi-las ao silêncio. Não podemos nos esquecer que a administração pública tem fácil acesso aos meios de comunicação, jornais, rádios, TVs, que muitas vezes dependem do setor público para a sua sobrevivência. Portanto, é importante, apresentar as provas dos delitos para desmascarar os fraudadores. Corruptos e fraudadores do erário são pessoas sem qualquer escrúpulo, capazes de qualquer coisa, como forjar e destruir documentos e provas, subornar ou ameaçar testemunhas, intimidar os oponentes, atacar a integridade dos acusadores e até mesmo atear fogo na prefeitura, se julgarem necessário. Deles pode esperar-se todo tipo de ações de contravenção e bandidagem. Não se deve baixar a guarda e nem recuar, pois é isso o que eles esperam. 
Deve-se ter estratégias estabelecidas e planejadas com antecedência, para todos os possíveis ataques. É importante nunca deixar se envolver nas tramas desses bandidos, que geralmente contam com a impunidade. Eles se julgam acima dos demais cidadãos, por terem realizados diversas falcatruas e terem escapados impunes. Não entre no jogo. Responda a tudo que fizerem com argumentações claras, evite polêmicas, apresente provas. Atenção: Qualquer semelhança com sua cidade pode não ser uma mera coincidência. 
Postado por Tadeu Nogueira às 14:34h
Fonte: O Combate à Corrupção nas Prefeituras Brasileiras

4 comentários:

Carlos Augusto P. Santos disse...

Salmos, para que te quero?! Agora, que os humilhados e injustiçados, herdarão o reino dos céus, isto sim é verdade!

campogrande disse...

Prof. Adahilson disse...
Oportuna e louvável suas reflexões acerca dos gestores públicos. Faz-se necessário um debate amplo de toda comunidade. A nossa omissão contribui e muito para formar cidadãos despolitizados e conformados com essa corrupção impregnada em todas as esferas de governo. UMA SUGESTÃO: Que tal a AMACAMOCIM tomar um partido? O partido do povo, da coerência, da cidadania. Sem ranço ou ódio. Dá pena ver uma ONG com um nome tão sugestivo não fazer o seu papel de educador e formador de opinião. E olha que depositava muita confiança

Epifanio disse...

Prof. Adahilson,

A AMACAMOCIM já tomou partido; o partido do poder, pois estão em sua maioria na folha dos "contratados" do Município. O que mais me entristece é que se calou por dinheiro. Não tinham, portanto, nenhuma ideologia, meta, projeto, enfim, buscavam somente o poder e se manter nele.

Big Jack disse...

Aliás, não foi só a AMA Camocim que tomou partido (o do dinheiro, do poder), mas foi também o religioso "que caiu do céu" - em Camocim - e toda a corja do PT no Brasil inteiro.