. CAMOCIM ONLINE: EVANGÉLICOS SÃO MAIS ATUANTES NA POLÍTICA DO QUE CATÓLICOS
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

domingo, 21 de abril de 2013

EVANGÉLICOS SÃO MAIS ATUANTES NA POLÍTICA DO QUE CATÓLICOS


Em quase todas as Assembleias Legislativas do Brasil, o número de deputados evangélicos cuja atuação política é marcada por sua religião é bem maior que o de católicos, revela levantamento inédito do Estado. Em todos os Estados, aqueles que se declaram católicos ainda são maioria da população. Assim como no Congresso, que tem uma frente evangélica oficial, nas Assembleias também são os pentecostais que trazem suas convicções religiosas e morais para o topo de sua agenda. É um fenômeno relativamente novo no Brasil, que resulta de uma mobilização de diversas igrejas pentecostais - principalmente a Assembleia de Deus, a Igreja Universal do Reino de Deus e a do Evangelho Quadrangular - para ocupar espaço no Legislativo, na mídia e na paisagem das cidades, com seus templos espalhados pelo Brasil (e por muitos países do mundo). Dos Estados mais ricos e populosos, o Rio de Janeiro é o que tem a maior fatia de evangélicos militantes em sua Assembleia Legislativa: 21%, próximos dos 29% de evangélicos na população. A de São Paulo também é expressiva: 11% de deputados evangélicos militantes para 24% de pessoas que se declararam evangélicas no Censo de 2010. A região Norte é a que tem as maiores porcentagens. 
A Assembleia Legislativa do Acre apresenta a maior proporção de evangélicos militantes do País: 33% - exatamente a fatia de evangélicos na população. A do Amapá vem em segundo lugar: 25% dos deputados buscam o voto dos evangélicos, que são 28% da população. Rondônia, com 17% de deputados evangélicos militantes, e Pará, com 12%, vêm atrás. Mato Grosso do Sul, Paraná, Distrito Federal, Goiás e Espírito Santo também se destacam. Todos os Estados têm evangélicos militantes em suas Assembleias. Em contraste, em 13 parlamentos estaduais a reportagem não detectou nenhum deputado cuja fé católica seja relevante na sua atuação política. Apenas no Rio Grande do Norte e na Paraíba há a mesma proporção de evangélicos e católicos militantes: 4% e 1%, respectivamente. 
Mesmo nesses casos, a desproporção é muito grande quando se compara com o contingente de fiéis nas respectivas populações: dentre os potiguares, 76% se declaram católicos e 15%, evangélicos; dos paraibanos, 77% são católicos e 15%, evangélicos. No Estado mais católico do Brasil, o Piauí, não foi identificado nenhum militante dessa fé na Assembleia, que tem 6% de evangélicos engajados politicamente - para 10% de evangélicos na população. Desse levantamento foram excluídos os deputados protestantes e católicos cuja religião é conhecida, mas não fica explicitada na sua busca por votos nem na sua atuação parlamentar. Esses números, obtidos por meio de entrevistas com jornalistas que acompanham de perto o dia a dia das Assembleias, pesquisas nos currículos e no noticiário, não obedecem a critérios científicos. 
Postado por Tadeu Nogueira às 10:01h
Com informações do Último Segundo

7 comentários:

Pr.Rodrigo Monteiro disse...

E é apenas o inicio de um trabalho que a anos não viamos como fundamental para a população evangelica, mas abrimos os olhos e esta começando agora um movimento chamado GOVERNO DO JUSTO que cremos que geraremos uma reforma politica no Brasil, para um AVIVAMENTO nas Famílias. nos proximos 10 anos estaremos consolidados.

Reges Silva disse...

Isto é muito perigoso, é uma lástima, uma horror! Em todos os lugares onde a religião foi para dentro da Política o resultado foi, e tem sido, catastrófico para a humanidade. Os exemplos são volumosos. Não esqueçamos que o Estado Brasileiro é laico.

Marcelo Gouveia disse...

É uma união bem favorável a eles. Com seu gado encurralado será bem fácil a manipulação sem nenhuma resistência.....

Marcelo Gouveia disse...

Imagina, comandar um país sob influência de costumes de muitos anos atrás, religião tem que ser pra alma, melhorar o espírito através da fé. Política tem que ser a pauladas, com luta, com gritos pra ver se esse país fica menos corrupto. Ah não posso deixar de falar hoje estava assistindo sessão" EXTRAORDINÁRIA" da câmara dos deputados estaduais. O assunto uma besteira sessão EXTRAORDINÁRIA, EXTRAORDINÁRIA, EXTRAORDINÁRIA.......... Era pra ser sessão mais dinheiro no bolso.

Vigiai e Orai disse...

Aos contradizentes, só tenho a lamentar. Achar que um país nas mãos de corruptos é melhor do que nas mãos de homens de Deus é lastimável. Pior, é que pessoas como os dois últimos comentaristas, que se dizem contrários, pode perguntar que eles afirmarão prontamente: somos de Cristo, desde que nascemos. No entanto, negam as ações políticas defendidas por servos de Deus, que se posicionam contra o aborto, contra o casamento gay, contra os vícios, contra o comunismo, contra a corrupção, etc.

Nóbrega disse...

Realmente religião e política são caminhos tangentes!

palavras verdadeira disse...

não é perigoso não. O verdadeiro Perigoso é aquele que sai com dinheiro na cueca, na meia e muitos outros crimes você sabe quais são. Você já viu um evangélico de (verdade) fazer isso ?