. CAMOCIM ONLINE: 10 ANOS DEPOIS, JUSTIÇA CONDENA COELCE A INDENIZAR VÍTIMA DE CHOQUE
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

10 ANOS DEPOIS, JUSTIÇA CONDENA COELCE A INDENIZAR VÍTIMA DE CHOQUE

A Companhia Energética do Ceará (Coelce) deve pagar R$ 60 mil de indenização para agricultor que perdeu a esposa e quase morreu por causa de curto-circuito na rede elétrica de sua residência. A decisão é do juiz Daniel Carvalho Carneiro, atuando pelo Grupo de Descongestionamento do Interior, durante mutirão realizado na 2ª Vara da Comarca de Aracati. 
Segundo o magistrado, é responsabilidade da empresa toda a rede elétrica que antecede o medidor. Também destacou que “eventuais falhas ocorridas dentro do aparelho de medição também não poderão ser imputadas exclusivamente ao consumidor, na medida em que o referido aparelho contém lacre aposto pela própria concessionária promovida, não podendo o consumidor livremente promover a manutenção do referido aparelho".
De acordo com os autos, um curto-circuito ocorreu na rede que fornecia energia para a residência do agricultor. O problema originou um incêndio que resultou na queda de fiação sobre a cerca de arame farpado próxima à casa dele. Em decorrência, o agricultor e a esposa foram atingidos. A mulher morreu e ele teve queimaduras graves que o impediu de trabalhar por um tempo. 
Por isso, em abril de 2005, ele ingressou com ação na Justiça. Requereu indenização moral e o pagamento de pensão pela morte da esposa, aos 52 anos. Na contestação, a Coelce alegou culpa exclusiva da vítima porque o problema teve origem na parte interna da residência.
Ao julgar o caso, o juiz condenou a companhia ao pagamento de R$ 60 mil de indenização moral. Também determinou o pagamento de meio salário minimo de pensão alimentícia até o ano que a esposa completaria 68 anos.
O magistrado entendeu que houve defeito na prestação de serviço. "Ao ser constatada a precariedade nas instalações da unidade consumidora, terá a concessionária do serviço público o dever de informar acerca da necessidade das melhorias a ser realizadas cumprindo assim o dever de informação insculpido no artigo 6º, III do Código de Defesa do Consumidor", destacou.
Lá vou eu: 10 anos de tramitação, de recursos, disso, daquilo, até chegarem a uma indenização, no mínimo,  risível. Se bobear, devem ter gasto mais do que isso com as custas do processos. É por isso que a Coelce escolhe infringir. Com essa demora absurda da justiça, poucos procuram seus direitos. Sinceramente... 
Postado por Tadeu Nogueira às 11:04h
Com informações do TJCE

1 comentários:

Carlos Augusto Trévia disse...

A morosidade e os inúmeros recursos atropelam a decisão final da justiça no Brasil.