. CAMOCIM ONLINE: JORNAL O POVO: CAMOCINENSE É CITADA EM REPORTAGEM SOBRE GENEROSIDADE
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

JORNAL O POVO: CAMOCINENSE É CITADA EM REPORTAGEM SOBRE GENEROSIDADE

Uma sensível e emocionante reportagem produzida pelo Jornalista Caio Faheina, publicada na edição do Jornal O Povo deste domingo (01), retrata um exemplo raro de acolhimento e generosidade. Vale a pena ler até o final: 
ACOLHER: UMA HISTÓRIA SOBRE GENEROSIDADE
Acolher: ato de oferecer ou obter refúgio, proteção. Amparar, abrigar, dar ou receber hospitalidade. Para Eliene Filgueiras, 47, acolher vai além de todas as traduções: é ser humano, solidário e, acima de tudo, doar amor e cuidado a quem necessita. E foi assim, com vontade de ajudar, que Eliene acolheu Silvana Maria, 42, em sua casa.
Em setembro deste ano, os destinos das duas se cruzaram em ação da pastoral Bom Samaritano, na Área Pastoral Santo Antônio, no bairro Pici. Por meio de uma conversa entre amigos, Eliene soube da história de Silvana, então moradora de rua, e decidiu ajudá-la.
Lutando contra a dependência das drogas, desde 2014, portadora do vírus HIV, Silvana veio de Camocim para Fortaleza em busca de uma vida melhor. Mãe de três filhos, ela não pôde criar nenhum. Abandonou as crianças quando a filha mais velha, hoje com 20 anos, ainda era pequena.
Sem ter onde ficar e presa aos vícios, Silvana viveu nas ruas até fiéis da igreja Santo Antônio a abrigarem. Como a situação complicava-se, era muito difícil que alguém se dispusesse a cuidar dela.
Foi quando Eliene abriu as portas da sua casa para Silvana, a quem não conhecia. “Me emocionei com a história dela, meu coração pediu que a ajudasse”. Desempregada, a costureira contou com ajuda da pastoral e de amigos “Consegui tirar a documentação dela. Agora, vou dar entrada nos benefícios” , comenta.
Silvana passou pouco mais de uma semana na casa de Eliene, quando, com suspeita de tuberculose e pesando 30 quilos, foi levada ao Hospital São José, especializado em doenças infecciosas, para ficar sob observação de equipe médica. Nem por isso, Eliene deixou de acompanhá-la até seu último dia de vida: a madrugada do último dia 16 de Outubro.
Ainda na infância, Eliene foi deixada pela mãe na casa de parentes, em Mossoró (RN), sua cidade natal. A decisão foi tomada quando o pai da costureira abandonou a família.
Em vez de ser acolhida como filha pelos familiares, como pensou a mãe ao deixá-la, Eliene foi submetida aos trabalhos domésticos precocemente, aos oito anos. Ela diz ter escrito cartas à mãe, explicando o que se passava. “Com mãos trêmulas, escrevia sobre todo aquele sofrimento”. Com promessas de serem entregues pelos familiares, as cartas nunca chegaram ao destinatário. 

Hoje, mãe de três filhos com 8, 17 e 23 anos, Eliene está desempregada. Problemas na coluna a fizeram deixar a máquina de costura. O sustento da família, majoritariamente, vem do trabalho da filha mais velha em uma seguradora. Enquanto não consegue emprego formal, Eliene borda o amor e remenda história de outras pessoas. Mesmo em situação difícil, ela não deixa de ajudar a quem precisa, como fez com Silvana. Confira a reportagem no Jornal O Povo AQUI
Postado por Tadeu Nogueira às 07:14h
Com reportagem de Caio Faheina

0 comentários: