. CAMOCIM ONLINE: JN CITA CASO GLEYDSON AO NOTICIAR 2015 COMO UM DOS PIORES PARA JORNALISTAS
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

JN CITA CASO GLEYDSON AO NOTICIAR 2015 COMO UM DOS PIORES PARA JORNALISTAS

O Jornal Nacional, considerado um dos mais importantes telejornais do mundo, noticiou nesta segunda-feira (22), um relatório divulgado pela Abert, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, considerando o ano de 2015 como um dos piores para a segurança dos jornalistas no Brasil. Na ocasião, foi citado o caso do Radialista Gleydson Carvalho, assassinado com dois tiros enquanto apresentava seu programa, em agosto do ano passado, na Rádio Liberdade 90,3 FM. Até o momento, 6 pessoas envolvidas no crime foram presas, porém, um dos pistoleiros e o mandante, com prisões decretadas pela justiça, continuam foragidos. 
Gleydson foi friamente executado, segundo consta em documento do Ministério Público, por ter denunciado supostos desmandos da administração municipal de Martinópole. 
Outros sete jornalistas foram mortos no Brasil em 2015, no Maranhão, Alagoas, Bahia, Pernambuco, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul. Todos denunciavam a corrupção.
O relatório cita ainda 64 agressões a jornalistas. Entre elas, a do cinegrafista da Rede Bandeirantes Luiz Carlos de Jesus, mordido por um cachorro da PM em protesto de professores em Curitiba.
Ofensas também estão registradas, como a sofrida pela jornalista da TV Globo Maria Júlia Coutinho, vítima de ataques racistas na internet.
Ao todo foram 116 violações ao direito de liberdade de expressão no ano passado. Segundo uma organização internacional citada no relatório, o Brasil é considerado um país com alto risco para a profissão de jornalista.
No ranking dos países mais perigosos, o Brasil subiu do décimo para o quinto lugar. Atrás da França, com nove mortes, oito delas no ataque terrorista à revista Charlie Hebdo. Na frente estão México, Iraque e Síria.
O presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão diz que o jornalista não pode ser alvo. 
“Todos esses casos têm que ser amplamente investigados, não porque os jornalistas ou os profissionais da imprensa gozem de alguma prerrogativa acima de qualquer cidadão. É porque eles fazem um papel que é importante pra democracia e pra sociedade que é levar informação ao conhecimento da população em geral”, diz Daniel Slaviero, presidente da ABERT. Confira AQUI  a reportagem em vídeo do JN. 
Postado por Tadeu Nogueira às 06:00h
Com informações do JN

0 comentários: