. CAMOCIM ONLINE: O JARDIM SECRETO
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

domingo, 5 de junho de 2016

O JARDIM SECRETO

O JARDIM SECRETO
(Avelar Santos) 
Os sonhos são pérolas preciosas que faíscam ininterruptamente a magia do amor no fascinante mar da existência humana!
Cansado de tanto bater asas sem destino certo a vida inteira, eis que certo dia um velho beija-flor descobre, numa de suas muitas andanças solitárias por este mundão de meu Deus, para alegria indizível de seu pequenino coração, as delícias infinitas de um bucólico jardim secreto, perdido nas brumas insondáveis do tempo, cheio de exóticas árvores, a perder de vista, em cujas copas os passarinhos teciam laboriosamente seus ninhos, emoldurado por flores belíssimas, de estonteantes fragrâncias e matizadas por cores diversas.
Alongando um pouco mais o seu olhar, em derredor, ele avista, isolada de tudo, uma Flor encantadora, perfeita, postada estrategicamente junto à Fonte do Amor, que, com seus jatos suaves e cadenciados, refletia permanentemente a iridescência de sua extraordinária beleza às insuperáveis carícias do Sol matinal.   
Gargalhando loucamente de incontido contentamento, o colibri, após ter voado tantas e tantas léguas, praticamente sem descanso algum, almejando a todo custo repousar o seu frágil corpo - mirrado certamente do ir e vir constantes do cotidiano - resolve prudentemente ficar por ali para desfrutar, com segurança e parcimônia, de uma merecida e revigorante noite de sono.
Na manhã do dia seguinte, ainda bem cedo, o beija-flor acordou muito bem-humorado de sua letargia toda particular, e, depois de espreguiçar-se, por inteiro, agradecendo aos céus por estar vivo e ainda saudável, começa pacientemente a sua exaustiva faina diária da busca incessante do néctar vital, acariciando cavalheirescamente as flores mais próximas, invadindo, resoluto, a privacidade delas, que, contentes por tamanhos e gentis afagos, lhe sorriem solícitas e dengosas, oferecendo-lhe tudo.
Com as energias glicosadas parcialmente renovadas, o colibri procura deslocar-se o quanto antes até aquela majestosa Flor que tanta atração exercera sobre ele na sua bendita chegada àquele lugar. Após a devida corte, com inúmeros e ritmados magistrais rodopios, feitos galanteadoramente pelo carismático ser alado, ela, de forma sedutora, sensual mesmo, abre-lhe, de par em par, a janela benfazeja das suaves pétalas, guardiãs incontestes de seus segredos mais íntimos, permitindo-lhe momentaneamente que beba com sofreguidão o seu saboroso mel - e que devasse também as profundezas de sua própria alma.
Aquilo foi demais para o velho colibri! Alucinado de paixão e tonto de luxúria, ele, hipnotizado com tantas gentilezas e possíveis promessas futuras, volteia a charmosa Flor infinitas vezes, beijando-lhe o colo, com rara volúpia, aprofundando-se no seu eu, descobrindo amiúde os seus mistérios mais ocultos, enquanto ela, vaporosa, ostentando grande emoção, que lhe ruboriza indelevelmente a linda face, tece confidências mil do coração, diz-lhe sobre os seus ternos sonhos - e também revela pressurosamente a ele os seus medos abissais.
Perdidamente apaixonado, o beija-flor vai se deixando ficar recluso naquelas desconhecidas lonjuras, não se lembrando de mais nada da “vidinha normal” que até então levara.
E assim os radiantes dias de felicidade correram céleres, enquanto os dois enamorados faziam planos eternos do porvir risonho!
Certa feita, o colibri, mal raiara a Alva, maluco de desejo pela consumação do reencontro diariamente tão esperado, por ele, como uma flecha levantou voo – e rumou aflito para os generosos braços da sua incontestável Rainha.
No caminho, angustiado, percebe que as flores, todas elas, surpreendentemente haviam murchado, derramando-se pelo chão, tristemente, as faceirices brejeiras recolhidas do passado.
Batendo agora as asas com furor incomum, o colibri, pasmo de aflição, observa que a Fonte do Amor inexplicavelmente secara – e a Flor, outrora tão bela e sedutora, que ali ficava, fenecera dolorosamente – e o vento cruel dos desenganos tangia sem presa sua poeira pelo chão.
Transido da dor atroz da interminável saudade que lhe devora angustiadamente o sofrido peito, não resistindo um só momento mais ao caos ora instaurado, o velho beija-flor vem a sucumbir também, ali, ingloriamente, lembrando-se, todavia, naquele instante derradeiro, das doces recordações pretéritas de sua longínqua - e fugaz - Juventude.   
Avelar Santos (Professor e Escritor)

2 comentários:

J.marcos M. disse...

excepcional!

CRÔNICAS - AVELAR SANTOS disse...


Muitíssimo obrigado!

Avelar Santos.