. CAMOCIM ONLINE: SOBRE CAMOCIM...
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

domingo, 5 de junho de 2016

SOBRE CAMOCIM...

... E O TUBARÃO "MONSTRO"
A notícia correu célere, como acontece em toda cidade pequena. Lá para as bandas das Barreiras, pescadores arpoaram um cação de tamanho incomum.  - O bicho dá mais de uma tonelada! Foi preciso mais de 20 homens para puxar o bicho para a praia! Vixe Maria é o fim das eras! Ele veio para comer a devassidão que acontece nesse lugar - disse uma carola mais impertinente! Enfim, uma verdadeira multidão enfrentou a areia quente que ia da Praticagem até ao local do ocorrido. Daquele dia até a Festa de São José era só o que se falava. Como muitos acreditavam ter sido um sinal dos tempos, boa parte da carcaça do tubarão branco ficou na praia para deleite dos urubus e outros animais carnívoros. Por outro lado, a moqueca correu solta na beira da praia servindo de refeição nas casas dos pescadores que participaram da caça e das poucas biroscas da beira-mar como tira gosto da famosa cachaça "Piojota" da Viçosa do Ceará. Um viajante da capital que passava pela cidade, ciente do caso e sabedor das propriedades do óleo de fígado de tubarão, arrematou o mesmo, cujo peso atingiu oitenta e cinco quilos.
Esse relato poderia ser o começo de uma crônica que retratasse mais uma "história de pescador", dentre tantas outras que se ouve destes homens bravos que costumam aliar o fantástico às suas aventuras e suas lidas diárias para conseguir o pescado necessário para suas sobrevivências. No entanto, o fato acima foi publicado em jornal de grande circulação nacional - A Noite, do Rio de Janeiro, em 17 de março de 1939 - naqueles espaços destinados aos informes das sucursais em forma de pequenas notas em meio ao noticiário e publicidade. A pequena manchete apela um pouco para o sensacionalismo: "Arpoado um tubarão monstro". O texto, no entanto, não corresponde ao apelo da manchete: "Na praia de Camocim foi arpoado um tubarão monstro, cujo fígado pesava 85 quilos. O local onde foi fisgado o colossal monstro marinho esteve repleto de curiosos". 
Tivesse a matéria rendido uma reportagem com alguma pesquisa adicional, o caso poderia ter um outro sentido, visto que é natural tubarões deste tamanho, especialmente, da espécie tubarão-branco ou tubarão-baleia. O fato de ter sido pescado em Camocim pode ser explicado devido aos movimentos migratórios destes animais. Por algum motivo, o tal tubarão desgarrou e errou o caminho entrando no Rio Coreaú. A matéria não se refere a tal espécie, mas ao tubarão branco (carcharodon carcharias) "pesa 1,3 tonelada em média, mas alguns podem atingir até cinco metros de comprimento. Estudos recentes mostraram que ele também é um migrador de capacidades extraordinárias. Em 2005, uma equipe internacional de pesquisadores publicou na revista 'Science' o tempo recorde marcado por um tubarão branco fêmea na travessia de ida e volta do oceano Índico. 'Nicole' percorreu mais de 20 mil quilômetros em pouco menos de nove meses".
E se o tamanho do fígado causa admiração, vale dizer que nos tubarões ele "pode representar até 28% do peso total do corpo e constitui uma enorme reserva de energia. Para neutralizar o peso do animal na água, um fígado de tubarão branco de 456 kg, contendo 400 litros de óleo, pode fornecer até 50 kg de empuxo". 
Portanto, essa não é uma história de pescador como as que o “Bodó” conta lá na Mercearia da Nazaré. 
Carlos Augusto Pereira dos Santos
Historiador
Conheça o Blog do Colunista AQUI

1 comentários:

neide disse...

Tubaraooo?????