. CAMOCIM ONLINE: APÓS 5 MESES, ESTOURA MAIS UMA REBELIÃO NA CADEIA DE CAMOCIM
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

APÓS 5 MESES, ESTOURA MAIS UMA REBELIÃO NA CADEIA DE CAMOCIM

Pouco mais de 5 meses depois, o "barril de pólvora" voltou a estourar em Camocim. Trata-se da Cadeia Pública e seus mais de 100 detentos (a capacidade é de 67). Como sempre ocorre nessas ocasiões, colchões foram queimados e grades acabaram arrebentadas. Em maio eles fizeram a mesma coisa. Colchões novos foram entregues e as celas foram reformadas. O problema é que a superlotação continuou do mesmo jeito. E essa segue sendo a grande reclamação de todos os detentos. 
Dessa vez o caos teve início por volta das 19:00h. Acionada, a Polícia Militar já deu vários tiros para o alto como advertência, o que acaba causando pânico na vizinhança, que já vive sob medicamentos "tarja preta" há vários anos por conta do "vizinho problema". No meio desse "saco de gato", um curioso, daqueles que se mete em tudo que acontece, foi preso por desacato por xingar a polícia. 
Uma equipe do Batalhão de Divisas, que chegou pouco depois, passou a atirar contra os detentos com balas de borracha. Segundo informações obtidas pelo blog, alguns presos fugiram usando o telhado da Loja Macário Bikes, que fica ao lado. O conselho básico é o de sempre: Evitar sair às ruas centrais da cidade até que o controle seja retomado. No mais é chover no molhado: A cadeia não deveria mais continuar onde está, no centro comercial da cidade, ao lado do fórum, residências, bancos e prefeitura, sem falar nas residências que ficam próximas desse inferno. 
Postado por Tadeu Nogueira às 20:00h
Atualizando às 21:08h - Nem todas as celas estão participando da rebelião. Os presos rebelados se comunicam com a polícia através de um rádio transmissor, o que se leva a crer que há um líder. Uma equipe do Comando Tático Rural (Cotar) acaba de chegar como reforço. 
Atualizando às 21:21h - A mãe de um dos presos, que acompanhava a situação nas proximidades, passou mal e foi levada à UPA 24H. Há rumores sobre um clima de revolta entre os familiares dos detentos. 
Atualizando às 21:23h - Acabou. Os presos se renderam. A Polícia Militar acaba de dominar a cadeia. A contagem será iniciada. Muitos presos teriam fugido. 

4 comentários:

wi7k3r disse...

Repasse rapidamente os nomes para a população se precaver e denunciar o paradeiro deles

Toinho Lima disse...

E inadmissível isso acontecer o q os presos reclamam tem total fundamento pois se a cadeia e pra um número de presos e necessário q se cumpra a lotação a sociedade tem q começar a exigir os cumprimentos das leis. Para não reclamar a toa vamos pelo menos cumprir a forma de agir pra poder cobrar fico triste com o q ta acontecendo numha cidade como a nossa todos só se preocupam depois q acontecem

verdade disse...

Isso acontece por falta de desorganização, números de presos maiores do que pode haver em uma cadeia e cadeia não fica bem em ser em pleno centro da cidade, ainda mais onde há um fluxo maior de pessoas transitando nas ruas durante o dia, onde há bancos, lojas e principalmente vizinhos que vivem em suas casas querendo ter paz, tranquilidade e ao lado de suas casas se depara com uma cadeia. Por NECESSIDADE essa cadeia PRECISA SER EM OUTRO LOCAL, MAIS AFASTADA . CABE OS SUPERIORES VER ISSO, ELES SÃO TÃO CHEIOS DE DIREITOS E NÃO VER O QUANTO É ERRADO A LOCALIZAÇÃO DESSA CADEIA EM PLENO CENTRO DA CIDADE. TANTO EU COMO A MAIORIA DA POPULAÇÃO ACREDITA QUE ISSO É ERRADO. SEM MAIS.

Camocim disse...

Isso acontece porque tem muito detento lá por excesso de prazo onde nunca foi a uma audiência vivem em condições desumana comendo um ovo na janta e carne de jabá podre a comida estragada. em dia de visita só falto vomitar de tanta seboseira. Como um detentor daqueles pode ser reeducando??? Se antes da outra rebelião tinha sala de aula mais nunca houve aula?? O magistrado deve pegar os processos e chamar quem tá lá a muito tempo