quinta-feira, 10 de agosto de 2017

2 ANOS DEPOIS, ACUSADO DA MORTE DE GLEYDSON CARVALHO É PRESO DE NOVO

A Polícia Civil de Camocim prendeu, 2 anos e 2 dias depois do fato, na terça-feira (8), no distrito de Parazinho, zona rural de Granja, Valdir Arruda Lopes, de 29 anos, suspeito de dar apoio logístico aos assassinos do radialista Gleydson Carvalho, morto a tiros em 6 de agosto de 2015. Valdir havia sido preso na época do crime, mas ganhou liberdade da justiça após seis meses de reclusão. Por decisão judicial, um novo mandado de prisão foi expedido, no entanto, o suspeito se encontrava foragido.
A Polícia Civil diz que os mandantes são os irmãos Francisco Pereira da Silva, conhecido como “Chico Dentista”, e João Batista Pereira da Silva, o “Batista Dentista”, que seguem foragidos. Os executores são: Israel Marques Carneiro, também foragido, Tiago Lemos, que está preso em uma casa de privação da Região Metropolitana de Fortaleza, e agora Valdir Lopes, encaminhado para a Cadeia de Camocim. A Justiça decretou a prisão preventiva dos cinco homens, na terça-feira.
O radialista foi morto a tiros enquanto apresentava o programa na rádio, em Camocim. Homens invadiram o estúdio, dispararam contra Gleydson e fugiram. Na época, testemunhas disseram que na hora do homicídio a transmissão estava com programação musical. A emissora, controlada por pessoas de Granja, cuja torre fica em Martinópole e apenas o estúdio funcionava em Camocim (devido ao grande fluxo comercial), tem cerca de 90% da sua programação voltada para Granja. Na época, Gleydson criticava fortemente a administração municipal de Martinópole. A intolerância à liberdade de expressão teria sido o motivo da execução de Gleydson. De lá pra cá, sua morte tem sido descaradamente aproveitada politicamente por alguns elementos que, hipocritamente, também são contrários ao livre pensar. 
Postado por Tadeu Nogueira às 07:45h
Com informações do DN/G1CE

Nenhum comentário: