domingo, 8 de outubro de 2017

INSÔNIA, POR CARLOS CARDEAL

É noite alta, da janela do meu quarto só vejo escuridão; não tem lua, e o céu é triste e pobre de estrelas, não tem a lua, infelizmente, para tudo parecer um conto. Somente a insônia vem para interromper meus sonhos. 
Tudo é silêncio, apenas o cantar dos galos e o barulho dos gatos no cio sobre o telhado me dão a certeza de que lá fora há vida. Vez por outra, o vento traz barulho de música, mas até o vento, nesta noite escura, é muito escasso. 
As casas de festas noturnas, bares e restaurantes funcionam regularmente, e eu sei que seria melhor se estivesse por lá, mas lá eu não posso estar. Sinto-me “persona num grata”, estou pra baixo. A insônia é minha única companheira, mas não é uma boa companhia para cabeceira. Ela insiste, gruda e não larga. Tento ler. 
Procuro ver televisão; mas é tudo em vão. Se ao menos tivesse a chuva com goteiras no telhado para me embalar o sono. O som da chuva no telhado é cantiga de ninar e ainda serve para afugentar os gatos. É incrível como a insônia é silenciosa e provoca tanta inquietude e pensamentos torpes. Leia o texto completo AQUI
Carlos Cardeal (Escritor Camocinense) 
O artigo acima foi publicado pela primeira vez no Camocim Online em 27/09/2009

Um comentário:

Carlos Augusto Trévia disse...

O escritor Carlos Cardeal foi mas os seus escritos ficaram nos livros e na memória de muitos.