segunda-feira, 16 de outubro de 2017

UMA COISA NÃO JUSTIFICA A OUTRA, MAS...

Na semana passada, em Camocim, um indivíduo preso em flagrante por ter espancado e ameaçado sua companheira, passou uma madrugada de terror na Cadeia Pública. Lá ele sofreu uma verdadeira sessão de tortura por parte de outros detentos. 
A "lei" atrás das grades inclui verdadeira repugnância aos crimes sexuais e contra crianças e mulheres. 
Há quem defenda publicamente a justiça pelas próprias mãos, principalmente nos dias atuais, com a banalização quase que completa da barbárie. Por outro lado, não leva a nada combater violência com mais violência, a não ser, mais e mais violência. O homem morreu dias depois, após ter sido liberado para tratamento. Dessa forma, o óbito não foi contabilizado como o 12º homicídio do ano na cidade.  O indivíduo, que seria de Acopiara, ao que tudo indica, já tinha passagem pela polícia, ou seja, já possuía um histórico violento. 
A cidade de Camocim registra muitos crimes contra mulheres. O mais triste é saber que os ataques geralmente partem de maridos, filhos e outras pessoas próximas à vítima. Raramente um desconhecido agride uma mulher em Camocim. 
A agressão que ocorreu na cadeia surge como uma espécie de "basta". Muitos dos detentos estão trancafiados por vários delitos, menos algo contra mulheres e crianças. Portanto, a agressão pode e deve ser encarada, por quem gosta de sair batendo em suas companheiras, como um sinal de alerta, já que seria hipocrisia afirmar que toda e qualquer vigilância, por mais rígida que possa existir daqui por diante, vá impedir novas ações desse tipo.  
Postado por Tadeu Nogueira às 11:03h

Nenhum comentário: