quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

UPA DE GRANJA: ALÉM DA QUEDA, O COICE

Como se não bastasse não terem ainda recebido o salário de dezembro de 2018, os servidores da Unidade de Pronto Atendimento de Granja estão tendo que aguentar, calados, a afronta ao direito de receber pelo trabalho realizado. 
Mas não para por aí. Como forma de dar exemplo da forma ditatorial com a qual a cidade é comandada, algumas demissões já ocorreram.
Os "proprietários" do município, no poder há mais de 50 anos, não estariam gostando das publicações feita aqui no blog cobrando a quitação salarial dos funcionários, que nada mais fizeram do que relatar que estão trabalhando sem receber. 
Enfim, além de estarem de bolsos vazios, há o risco de demissões, no caso, mais demissões. 
A ordem é para aguentarem calados. 
Postado por Tadeu Nogueira às 13:47h

Um comentário:

Paz disse...

Pagou várias secretarias mais sem o aumento do salário. Para onde vai esse reajuste?