sábado, 6 de abril de 2019

CURRÍCULO COMPLICADO: RÉGIS DA IPU TEM CONTAS DESAPROVADAS PELO TCE

O Tribunal de Contas do Estado do Ceará (TCE) desaprovou, por unanimidade de votos, a prestação de contas de gestão da Câmara Municipal de Camocim, referente a 2013. 
As contas consideradas irregulares são de responsabilidade de Francisco Régis de Araújo Mendonça, o Régis da Ipu. Além da desaprovação, o TCE aplicou uma multa de R$ 13.550 reais ao ex-presidente do legislativo de Camocim. 
Régis da Ipu chefiou o legislativo entre 2013 e 2014. Ele foi indicado à época pelo seu cunhado, o ex-prefeito Chico Vaulino.
Se no currículo político de Régis da Ipu, constasse apenas essa desaprovação de contas, ele estaria no "céu". O destroço começou bem antes.  
Em 2010, após denúncia de que não poderia ser candidato por ter parentesco com Chico Vaulino, prefeito na ocasião, Régis apelou feio. 
Afirmou à justiça, sob juramento, que nunca foi casado com a irmã de Chico Vaulino. Sua atitude rendeu, na ação, o seguinte comentário da promotoria:   
"A propósito, não há como resistir ao comentário que a obsessão pela ocupação de cargo público é tão grande que o réu tem a cara de pau de negar essa união estável conhecida por todos em Camocim, a ponto de qualificar, na defesa de mérito, a mãe de seus filhos como um mero esquema, com a qual mantém apenas encontros esporádicos e casuais. Não precisava chegar a tanto Vereador".  
Em troca de vantagens, as testemunhas de defesa foram orientadas a contar a mesma versão. Isso rendeu a Régis seu indiciamento, em 2016, pelo Ministério Público Federal (MPF),  por corrupção de testemunha. 
De acordo com a denúncia, Margarida Mendes, uma das testemunhas do caso, em troca de vantagens, prestou falso testemunho e omitiu a verdade  durante a audiência na justiça. Na ocasião, apesar de ser vizinha, ela disse desconhecer que Régis da Ipu era casado com Ana Maciel, irmã do então Prefeito Chico Vaulino. 
No "currículo" de Régis da Ipu ainda consta a cassação inédita, a única até hoje em Camocim de um vereador, ocorrida em 2014, sob acusação de apropriação indébita previdenciária e sonegação de contribuição. 
No ostracismo desde então, recentemente ele anunciou que  não mais apoiaria Chico Vaulino, seu cunhado, e que a partir de então seria cabo eleitoral do deputado estadual Romeu Arruda, articulador de uma terceira via em Camocim. 
A situação de Régis da Ipu é de inelegibilidade desde 2014. Sua ficha suja o impediu, por exemplo, de concorrer, em 2016, a vice de Euvaldete Ferro, esposa do cunhado e ex-aliado, Chico Vaulino. 
Postado por Tadeu Nogueira às 11:25h

Nenhum comentário: