domingo, 1 de setembro de 2019

"OS FANTASMAS ALOPRADOS DO PLANALTO", POR AVELAR SANTOS

É sabido que muitos reis e rainhas ostentam, como traços característicos e indeléveis de suas impolutas personalidades, a teimosia de uma criança birrenta e o autoritarismo tacanho digno de Hitler.
Num Reino muito distante, onde nada funcionava direito, nem Educação, nem Saúde, nem Segurança, nem Portos, nem Aeroportos, nem tampouco a Administração Pública, mas, paradoxalmente, cobrava-se de seus pacatos habitantes uma absurda – e cada vez maior – carga de impostos, cujos reinos vizinhos não se preocupavam com guerras ou descabidas e arriscadas conquistas territoriais, um velho monarca, inculto, todavia de uma esperteza única, que fingia nada saber da roubalheira escandalosa perpetrada pelos figurões da Corte, de forma deslavada, à luz do dia, por anos a fio, desafiando até o Birifute se ele ousasse aparecer, no pedaço, e se intrometesse nos seus negócios secretos, admoestado por seus Conselheiros Reais (que não tinham nada melhor a fazer, a não ser dizer asneiras ao vento), e, por seu Ministro da Defesa, que entendia tanto do assunto de estratégia militar quanto eu de Física Quântica e da Língua Aramaica, resolveu aparelhar a Aeronáutica com caças mais modernos, substituindo, enfim, as antigas máquinas voadoras da Terra de Flaubert, que há décadas patrulhavam as fronteiras daquele belo país.
Como o suserano gostava de aparecer, e de falar em público, além de adorar ser aclamado como se fora um semideus, por um punhado de súditos babacas, levando, para impressionar àqueles que tinham a audácia de se opor aos seus ditames, específica claque amestrada, sempre a tiracolo, arregimentando por onde passava outros incautos, vaidoso que era, para aplaudi-lo entusiasticamente até as mãos doerem, tendo Goebbels como principal mentor de sua infundada propaganda ufanista, usou e abusou da mídia para anunciar à Nação tal pomposo fato: a compra dos novos aviões.
O povo, que precisava de tudo, inclusive de pão, não deu a mínima para tal estapafúrdio pronunciamento de Sua Majestade – e continuou duramente a trabalhar de Sol a Sol. Durante muito tempo, a coisa ficou em banho-maria. Nesse ínterim, mercadores de terras distantes visitaram o Reino, mostrando, a quem tivesse olhos e quisesse ver, aeronaves sofisticadas, novinhas em folha, espetaculares, porém, cada uma delas com preço abusivo, nada camarada, mais salgado que carne salgada potiguar na Feira de São Cristóvão.
Zangado, a contragosto por artimanhas engendradas por ele próprio, e alfinetadas por escudeiros mais próximos, sabujos fiéis e visionários, Sua Alteza viu-se momentaneamente apeada do poder e, como pensava em voltar, antes que a vaca tossisse e o boi voasse, a fim de tentar consolidar a desacreditada dinastia dos TP, e, como ninguém não é de ferro, continuar mandando e desmandando, sorvendo cotidianamente umas boas bicadas dos produtos do alambique real, além de se exercitar amiúde, dando boas e fortes braçadas no Lago Patoá, que ficava colado praticamente ao Palácio do Crepúsculo, soturnamente arquitetou um plano maquiavélico e infalível para se perpetuar ditando as cartas, por ali, até que a eternidade raiasse.
Assim, colocou, em seu lugar, uma pessoa de sua extrema confiança, embora sem nenhum brilho intelectual, mesmo sendo ela desconhecida Inteiramente dos seus inúmeros vassalos, e, tanto quanto esses, sem afinidade alguma para exercer a notória função a que fora repentinamente ungida.
Ao todo, contabilizando-se tudo, foram doze anos de angustiante espera. E nada de se comprar os benditos aviões! Os Brigadeiros do Ar, homens sérios e responsáveis, além de espernearem bastante, não sabiam mais o que fazer, preocupados que estavam com as improváveis incursões de aeronaves estrangeiras cruzando o espaço aéreo do Reino.
Assumindo o trono, a nova Soberana posou de grande administradora, muito embora o país não fosse nada bem, com greves pipocando em cada canto e, com as ruas das grandes cidades sendo tomadas de assalto por uma legião de manifestantes, que protestavam contra tudo e contra todos, desde a corrupção mais escancarada dos protegidos reais, passando pela falta de moradia, sobrando até para uma entidade alienígena, alcunhada de FIFA, que organizava o Circo.
Com os ânimos mais acalmados, nos becos, favelas e praças, embora sua batata continuasse fervorosamente assando, a Mandatária anunciou, naquele seu dialeto particular, ininteligível, que, após uma série de estudos feitos pelas autoridades competentes, com o seu aval explícito, o Governo estava comprando caças suecos para substituírem os velhos – e bons – Mirages. Até aí, tudo bem. Só que há um pequeno problema: os caças anunciados solenemente pelos arautos palacianos, como barreiras intransponíveis para quem tivesse o desplante de adentrar ilegalmente os ares do Reino, são simples protótipos. Não existem na realidade. Serão precisos muitos anos para que a fábrica consiga entregá-los devidamente ao país. Até lá, é rezar ao bom Deus a fim de que as coisas permaneçam do jeito que estão, pelo menos no que diz respeito a não beligerância dos outros suseranos que rodeiam essa abençoada terra.
Uma fortuna vai ser paga aos nobres escandinavos, que devem estar morrendo de rir dos atrapalhados mandatários da Banânia que consumaram tal inusitada e vergonhosa palermice.
De boa fé, quem acreditaria em despropósito tão risível e canhestro?
Caríssimo, se você for ateu, não custa nada fazer uma figa, dizendo, baixinho, mangalô, babalaô, três vezes, espargindo bons fluidos para que nada de mal aconteça a essa espoliada e rica terra, um dia habitada por índios de todas as raças em latitudes diversas. Se, por outro lado, acreditar no Arquiteto do Universo, vamos rezar muito para que as coisas não compliquem ainda mais.   
Avelar Santos (Professor e Escritor)

Nenhum comentário: