terça-feira, 15 de outubro de 2019

MORTE DO BEBÊ: PREFEITURA DE GRANJA OMITE NOME DE MÉDICO

A morte do bebê, cuja mãe esperou quase 12 horas pelo parto no Hospital Municipal de Granja, está repercutindo no estado do Ceará e fora dele. 
Edições do DN e G1CE, além do Jornal de Brasília, estamparam manchetes sobre o caso. 
A auxiliar de serviços gerais Tereza Maria Veras, 36 anos, segue revoltada com o ocorrido. 
Cheguei no hospital por volta das 14 horas do dia 9 de outubro. Estava sentindo muitas dores. Duas horas depois fizeram o exame de toque e me deixaram em uma cama até quase 1 hora da manhã do outro dia. Então fiquei 11 horas esperando que um médico chegasse e me atendesse”, afirmou.
Ainda segundo ela, quando deu 19 horas, a bolsa estourou. "Eu com muitas dores perguntei pelo médico. As enfermeiras não souberam informar o motivo de ele ter ido embora sem me ver”. 
Já passava da meia-noite quando uma enfermeira decidiu transferir a paciente para o Hospital de Camocim, onde foi atendida prontamente. O médico fez a cesariana, mas retirou o bebê já sem vida.
Em nota, a Prefeitura de Granja se defende, afirmando que realizou os procedimentos cabíveis. Por outro lado, não explica por que a paciente ficou quase 12 horas sem a visita do médico. Além disso, omite o nome do médico que estava no hospital e o horário de entrada e saída da paciente. 
Familiares afirmam que estão sendo intimidados por pessoas ligadas à prefeitura. "Disseram para que nós parássemos de comentar sobre o assunto. Mas não nos calaremos. Vamos lutar até o fim por justiça", disse um familiar. 
Postado por Tadeu Nogueira às 12:37h

Um comentário:

Zé Maria disse...

Negligência com.vidas era para ter punição mesmo , seja onde for na face da terra .