segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

CARNAVAL DE CAMOCIM: DO EMBALO JOVEM AO TAMBORES DO AXÉ

Tenho sido abordado nos últimos dias por pais à procura de informações sobre os carnavais das décadas de 80 e 90 em Camocim. 
Seus filhos receberam como missão, colocar tais dados em um trabalho escolar. 
De antemão, parabenizo quem teve a ideia de provocar nessas crianças a busca pelo passado momino local. Camocim tem uma história rica nesse segmento. 
Nos anos 70 e 80, a folia era privada e ocorria estritamente em clubes. O domínio era do Camocim Clube, Comercial Clube e Balneário Clube. Os clubes eram mantidos por sócios. Havia também a opção de venda de mesas para não-sócios. 
Uma das bandas que mais tocava nos 4 dias de folia era a Embalo Jovem (foto), 100% Camocinense, comandada pelo maestro Antônio Basílio, que dá nome ao Núcleo de Arte, Educação e Cultura (NAEC). 
No final dos anos 80, a Banda Alta Tensão, de Fortaleza, também agitava os foliões. Em uma época sem redes sociais, alastrou-se a fama de que o Camocim Clube ficava tão lotado no carnaval, que o teto suava. E suava mesmo. Vinha gente de longe só para "escangotar" o pescoço e ficar espantado com a "arrumação".  
Com máquina fotográfica sendo artigo raro, o jeito era voltar e convencer outros a também irem "ver de perto para contar de certo". Havia também desfile de blocos pelas ruas. Um dos mais tradicionais era o Bloco dos Marítimos. 
Essa boa fase dos clubes começou a descer a ladeira logo no início dos anos 90, quando a prefeitura resolveu entrar na história, promovendo de forma gratuita a folia em plena praça pública. A decisão "casou" com uma avalanche que surgia, conhecida como Axé Music.  
Chiclete, Asa de Águia, Sarajane, Reflexus, Banda Eva e Araketu, entre outras atrações, chegavam para dominar não apenas a Bahia, mas todo o Brasil. 
Muitas dessas atrações foram contratadas para incendiar a Praça do Odus. A primeira apresentação do carnaval de rua em Camocim aconteceu ao lado do atual Fortim do Eva. A estrutura ainda era modesta. A adesão popular foi total. O Axé tomou de conta do carnaval de Camocim, com força máxima, até por volta de 2010. Depois foi a vez do forró mostrar sua força. Mas aí é uma história que vamos contar depois.  
Postado por Tadeu Nogueira às 11:16h

2 comentários:

Miriânni Matos disse...

Faltou comentar sobre o Faísca Som. A banda, também camocinense, agitava os carnavais na década de 80.

Chris Lendengue disse...

Me orgulho dessa época!
A melhor banda de Camocim.
Saudoso seu Antonio Basílio!
Merecida essa homenagem a todosda Banda Embalo jovem ,pois fazem parte da história de nossa cidade.������