quarta-feira, 9 de setembro de 2020

ALIMENTO E CIMENTO: PREÇOS DISPARAM EM CAMOCIM

Construir e comer tem ficado cada vez mais caro em Camocim. Os preços do cimento e tijolo, por exemplo, estão em alta desde o início da pandemia de Coronavírus. 

"Fui fazer uma pequena reforma em minha casa e dei de cara com tijolo a quase R$ 700 reais. O jeito foi desistir", disse ao blog um morador. 

Paralelo a isso, estão os preços cobrados pelo arroz, óleo, feijão e outros itens da cesta básica. A reclamação tem sido geral. 

"Se por um lado apareceu o auxílio emergencial, por outro veio a disparada de preços de alimentos. E pior, tudo corre por conta própria, sem fiscalização, sem uma posição do Decon local a respeito da situação", desabafa uma dona de casa. 

A pressão no orçamento familiar atinge, principalmente, como sempre, os mais pobres, cuja renda, em sua maior parte, é destinada à compra de alimentos. 

Por Tadeu Nogueira 

5 comentários:

Robmarley disse...

Acho que em camocim não existe decon! E se existe não atuam em prol do consumidor.

Fab&Ana disse...

está um absurdo.e a promotoria nao toma nenhuma providencia.

Direita já disse...

Fique em casa

Micheli disse...

Um verdadeiro ABSURDO

Micheli disse...

Um verdadeiro ABSURDO