sábado, 16 de outubro de 2010

VETO AO ABONO SALARIAL DOS PROFESSORES DE GRANJA PODE TER MOTIVAÇÃO POLÍTICA

A Prefeitura de Granja recebeu, até o último dia 13 de Outubro, R$ 14.900.342,34. Essa dinheirama toda é referente somente ao FUNDEB. Falta ainda entrar a parcela do dia 20 e dia 31. Pois muito bem, acontece que mesmo diante desse montante milionário, Lázaro nos informou que a Prefeitura de Granja, através da Secretaria de Educação, não liberou um bombom sequer de abono para os professores e muito menos fez festa, como aconteceu no ano passado, para comemorar a data dos educadores do municipio. So para se ter uma comparação, a Prefeitura de Camocim recebeu, no mesmo período, R$ 14.902.956,28. A diferença é que, ao contrário de Granja, os professores de Camocim já começaram a receber abonos, estando previsto mais dois ou três até o fim do ano. Mas o que teria acontecido para que a postura da administração granjense mudasse do caviar pra rapadura com relação aos nobres docentes da terra de Lívio Barreto?
Bom, corre à boca nada miúda que, insatisfeito com o resultado desastroso da votação do Deputado Gony Arruda (PSDB) no último dia 03 de outubro, quando perdeu dentro de seu próprio reduto para o Deputado Sérgio Aguiar (PSB), apoiado por Romeu Aldigueri, seu maior rival político, "alguém" teria ordenado a não liberação de abono para os professores granjenses, nem no dia deles e muito menos nos dias que virão pela frente em 2010. Com a palavra, se quiser, a Secretaria de Educação de Granja. E com o prejuízo, os professores e o comércio da cidade, porque dinheiro tem e muito.
Postado por Tadeu Nogueira às 11:50h

7 comentários:

Prof. Cícero Rocha disse...

Este dinheiro é para custear abonos salariais para docentes? Acredito que sim né? Por que senão a administração pública estaria assumindo sua incompetencia em gerir este dinheiro para a melhoria da educação da cidade, no caso de Camocim. Em Granja esperemos que o gestor aplique em melhorias. Será?

Enzo disse...

Esse Lazaro é muito mau informado, quem disse que não vai ter abono pros professores , o motivo no qual esse abono nao ter saido no dia dos professores não justifica nada.
Vai ter sim.

Camocim Online disse...

Enzo, se você for professor, então o motivo de não ter saido abono pode ter sido por incompetência individual, a começar pela forma como você descreveu Lázaro. Ao contrário do que você afirma, não há como ele ser um "mau informado", e se fosse, ele seria um "mal informado". Entendeu?
E se você tem procuração para defender a tese de que o motivo do veto não foi o exposto na matéria e que vai sair sim abono, então envia uma nota de esclarecimento com papel timbrado da Secretaria de Educação que eu publico. Ah, no caso do seu erro (mal e Mau), é uma dúvida corriqueira, porém, não é considerado erro de digitação, é falta de conhecimento mesmo. Errar todos erram, continuar nele é que lasca.
Tadeu Nogueira

Maximus disse...

Sinceramente eu não sei como é que a união envia quase a mesma quantidade de dinheiro para Camocim e Granja, não sei qual critério é usado. No meu modo de entender Camocim é para receber bem mais que Granja ou Granja bem menos que Camocim. Entre as duas cidades há uma enorme diferença de desenvolvimento. Esse dinheiro do FUNDEB deveria ser enviado, ao meu ponto de vista, para municípios que aderissem ao concurso público, pois todos sabem que os temporários são do lado da administração e eles não vão cobrar abono, simplesmente, por medo de perder o emprego.

Camocim Online disse...

O prefeito Chico Vaulino assinou um termo de ajuste de conduta, em maio de 2009, se comprometendo com a procuradoria do trabalho, a fazer um concurso público ainda naquele ano, nunca fez, nunca deu em nada, a justiça nunca se pronunciou e os contratados pelo critério do puxasaquismo político continua entrando em ação nas campanhas sendo pagos pelo povo. Fizeram até cursinho na cidade para se prepararem para o tal concurso que nunca teve e ele nem fala mais nisso. Agora vá um cidadão comum assinar um termo desse e deixar de cumprir. A justiça fechou os olhos para essa questão, e grande verdade é essa. E tem mais, pode escrever isso: Se ele fizer o tal concurso, vai ser um pouco antes da eleição de 2012, daí ele não vai chamar porque alegará que não pode em período eleitoral (90 dias antes e depois), então ele usará de novo os cabos eleitorais (contratados) e deixará o abacaxi de chamar para o que for eleito.
Tadeu Nogueira

Thiago disse...

Sim, e agora, o que acontece? Os professores ficam chupando o dedo e o dinheiro não é repassado? Como é que se resolve isso?

MIRANDA disse...

MEU CARO PRO. CÍCERO ROCHA! EU NÃO DIRIA QUE SERIA INGERÊNCIA DO GESTOR PÚBLICO APLICAR OS RECURSOS NA MELHORIA DA EDUCAÇÃO! EU DIRIRA QUE É INGERÊNCIA UM PROFESSOR PENSAR ASSIM! AFINAL DE CONTAS HÁ CASOS E CASOS! DA MESMA FORMA QUE EXISTEM PROFESSORES E PROFESSORES!