sábado, 10 de dezembro de 2011

ERRO MÉDICO TERIA MATADO CRIANÇA EM CHAVAL

A família de Kailane Carvalho da Rocha (foto), de 8 anos, da cidade de Chaval, acusa o médico André Lúcio de ter errado na medicação, que teria acabado provocando a morte da criança. Kailane Rocha foi levada em 01 de Dezembro para o Hospital Municipal Elisete Cardoso Passos Pacheco, com cortes na cabeça e na coxa direita, provocados por uma queda dentro do banheiro de sua casa, quando acabou se cortando no vaso sanitário. Ao chegar na unidade hospitalar, a criança foi atendida pelo médico André Lúcio, que teria aplicado doses de lidocaína (anestésico). Segundo familiares as injeções acabaram causando um choque térmico em Kailane. Imediatamente os familiares da criança a levaram para o Pronto Socorro da cidade piauiense de Parnaíba, que faz fronteira com Chaval. Kailane deu entrada na mesma noite, já em coma. A criança permaneceu assim até até a madrugada da última quinta-feira (8), quando teve a morte cerebral anunciada pela equipe médica. O corpo de Kailane foi sepultado, ontem (09), no cemitério municipal de Chaval, sob forte comoção dos moradores da cidade. 
Os familiares da criança ameaçam entrar na Justiça contra o médico André Lúcio acusando, que houve negligência através de um erro de ter aplicado medicação forte demais em Kailane. Procurado, ontem, no Hospital de Chaval, André Lúcio não estava. A informação é que ele não voltou mais à unidade após o atendimento de Kailane. A diretora do Hospital, Elisamar Pereira dos Santos Araújo, informa que Kailane deu entrada na unidade ao meio dia de 01 de Dezembro, lúcida e sem hemorragia, apenas chorando muito por estar com medo dos procedimentos. "Vamos apurar o que realmente aconteceu para tomar as providências devidas”, garante Elisamar Araújo.
Lá vou eu: A família ameaça entrar na justiça? já era pra ter entrado faz tempo. E se bem conheço o Promotor de Chaval, a coisa não vai ficar no fundo de uma gaveta não. 
Postado por Tadeu Nogueira às 10:18h
Com informações do Diário Zona Norte - Foto: Arquivo da família via G1 CE

Um comentário:

Dr. Mardônio disse...

Sei que nossa profissão é de extrema responsabilidade e compromisso e muitas vezes não tão reconhecida como deveria;e que a diferença entre o terapêutico e o letal é tênue. Mas antes de qualquer pré julgamento o caso tem de ser periciado e averiguado por nossa câmara técnica, que é o Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará (CREMEC),essa instituição sim, é que deve se pronunciar divulgando um parecer se o profissional falou por imperícia, imprudência ou não. Saudações.