. CAMOCIM ONLINE: JOVEM COM MICROCEFALIA SE FORMA EM JORNALISMO
E-mail tadnogueira@hotmail.com
Telefones (88) 99603-4531 (88) 98814-0779
Endereço Rua Zeferino Veras, 301 - Centro Camocim - Ceará - Brasil CEP 62.400-000

terça-feira, 8 de março de 2016

JOVEM COM MICROCEFALIA SE FORMA EM JORNALISMO

Logo após o nascimento, Ana Carolina Dias Cáceres, de 24 anos, ficou nove horas internada e, já no nono dia de vida, teve de fazer a 1ª de suas 6 cirurgias por ser portadora de um caso raro de microcefalia.
O afundamento frontal e o entupimento nasal foram os primeiros sinais da síndrome no corpo de Ana ainda bebê. Depois de ter sobrevivido a duas paradas cardíacas e os médicos terem suspeitado que Ana tinha Síndrome de Down, a microcefalia genética causada por cranioestenose (fechamento precoce das suturas do crânio que prejudicam o desenvolvimento do cérebro) veio como diagnóstico. 
Sem danos nas funções cognitivas, Ana Carolina pôde cursar normalmente a escola como qualquer outra criança sem deixar de esbarrar nas barreiras do preconceito. "Um garoto costumava dizer aos outros que o que eu tinha era contagioso, fazia sinais com as mãos olhando para mim como se fosse uma seringa de vacina", lembra.  
A jovem diz que vivenciou alguns episódios de "estranhamento pela ausência de informação a respeito da microcefalia", mas eles não enfraqueceram sua bela autoestima. "Eu gosto de mim do jeito que eu sou. O ser humano não é aparência, isso o tempo leva", garante Ana. "Disseram que eu não ia andar, que eu viveria em estado vegetativo", conta a jovem sobre imprecisas previsões médicas. Mas Ana andou muito. Se formou em 2015 em jornalismo, em Campo Grande (MS), com um trabalho de conclusão de curso que contempla também suas vitórias pessoais: o livro autobiográfico – "Selfie: Em Meu Autorretrato, A Microcefalia É Diferença e Motivação". 
"Fico feliz que meu livro esteja ajudando as pessoas a conhecerem melhor a microcefalia. Tenho recebido depoimentos de pais que dizem ter esperança de que os filhos, quem sabe, também poderão até chegar à faculdade como eu", comemora a jovem.
Ana Carolina Dias Cáceres entende que o seu caso, na Medicina, é raro. "O que é comum em todos os casos de microcefalia é a lição que temos de superação de limites e o aprendizado constante sobre o ser humano e suas capacidades".
Postado por Ayla Sousa às 14:40h
Com informações do UOL

0 comentários: