quarta-feira, 21 de novembro de 2018

DEVAGAR E SEMPRE

Após cada maré alta, relatos de motos caindo na Avenida Beira-Mar, nas imediações da Praça do Odus, aumentam. O mesmo aconteceu no ano passado. 
Como não poderia ser diferente, a explicação segue sendo a mesma. Com as "marés grandes', o asfalto é banhado pelas ondas. Não tem como ser de outra forma. 
Com isso, a via fica escorregadia. Ignorando essa equação, alguns motoqueiros teimam em trafegar em alta velocidade, quando a máxima no local não deve passar dos 40km/h. 
As quedas, e são várias, acontecem geralmente na frente da Secretaria de Cultura, ao lado da Praça do Odus, após uma curva para a direita, na esquina do Fortim do Evan e outra, à esquerda, menos de 30 metros depois. 
Com os pneus já "banhados" pela umidade deixada na pista, o condutor se arrisca, sem necessidade, nas duas curvas, vindo a cair na segunda. 
É um resultado óbvio que, deduzido, pode ser evitado sem maiores dificuldades. Ano que vem, neste mesmo período, é provável que venhamos a publicar sobre o assunto novamente, dando as mesmas dicas. Segue o bonde. 
Postado por Tadeu Nogueira às 07:56h
Foto: Tadeu Nogueira  

Nenhum comentário: