quinta-feira, 2 de janeiro de 2020

ENCHENTE: SEM DIQUE PROMETIDO, GRANJA JÁ PEDE SOCORRO

O início de mais um ano geralmente faz suscitar o desejo por dias melhores. 
Sendo no Ceará, isso junta-se ao apelo para que o inverno seja farto, levando água aos reservatórios e fartura à agricultura. 
No caso dos moradores de alguns bairros de Granja, deles centrais, pede-se um inverno moderado. 
Seria algo sem sentido, levando-se em conta que a cidade abriga milhares de famílias que vivem abaixo da linha de pobreza, sobrevive de reservatórios e possui uma agricultura quase inexistente. 
Mas não é. O pedido encontra suporte na história. Anualmente, quando não lidera, Granja surge no ranking da Funceme entre as 3 cidades que mais recebem chuvas no Ceará. Apenas nos primeiros 12 dias de abril de 2019, foram quase 600 mm.  
Mesmo isso ocorrendo há mais de 5 décadas, nenhuma grande obra de contenção foi feita para evitar centenas de famílias fiquem desabrigadas anualmente, entre fevereiro e maio. Sem drenagem, calçamento, caneletas e com saneamento quase zero, bairros como Barrocão, cravado às margens do Rio Coreaú, ao lado do centro, já entrou em desespero.  
No mesmo abril de 2019, o deputado Romeu Arruda prometeu, em caráter emergencial, a construção de um dique de proteção. Anunciou que a verba, de R$ 3 milhões, já havia sido liberada, porém, a obra nunca foi iniciada. Ele evita até falar do assunto. 
Postado por Tadeu Nogueira às 14:05h
Foto: Arquivo

Um comentário:

A o disse...

Onde está a rodoviária da cidade de Granja que não sai do papel vergonhoso a cidade não ter rodoviária.