sábado, 20 de fevereiro de 2021

CACIMBA DO CUPIM - A MAIOR DO MUNDO?

Por Carlos Augusto P. dos Santos
Eu quero ver alguém me mostrar outra cacimba maior que essa. 
Para mim, até que me provem o contrário, ela é a maior que existe! 
Foi cavada no ano de 1955, à custa do seu proprietário, o Sr. João Paulo dos Santos, na localidade de Cupim – Camocim. 

De dimensões gigantescas que, causou, e até hoje causa grande admiração, espanto e tem gente que até sente medo ao se aproximar. Assim virou atração porque nunca se viu outra igual.
Com diâmetro interno de 3,85m (três metros e oitenta e oitenta e cinco centímetros), cavada com picareta à força braçal humana. Toda empedrada com argamassa à base de cal trazido da cidade de Granja em costa de jumentos e tijolos fabricados em uma olaria na própria baixa do Cupim, cujo barreiro onde foi tirado o barro, ficou conhecido como Barreiro do Odilon, por ficar próximo à casa que morava o saudoso Odilon Marques dos Reis (Odilon Bala), que me corrijam seus parentes.

Hoje vale a pena relembrar a façanha do Sr. João Paulo pelo empreendimento naqueles anos de dificuldade e a bravura dos trabalhadores, liderados pelo grande e inesquecível mestre de obras, Luís Tavares dos Santos, ainda hoje elogiado pelos que lhe conheceram, por sua inteligência, capacidade e capricho no que fazia.
Contam os mais velhos que eram muitos homens trabalhando com quatro gangorras puxando barro ou descendo material para vencer a demanda. Pois, na escavação a tabatinga desabava aterrando o que havia sido feito. 

O serviço dos gangorreiros era retirar esse material em caixões de madeira amarrados com cordas e logo depois fazendo o inverso, devolvendo o barro para encher o grande abismo causado pelo desabamento.
Hoje os moradores utilizam água do poço profundo da Escola João Paulo dos Santos situada há poucos metros. E o cacimbão de maior circunferência do mundo, mesmo que desativado e semiabandonado ainda serve de atração e memória da infância de muitos moradores contemporâneos da abundância de suas águas que por muitos anos matou a sede do povo e dos animais do Cupim e daquelas redondezas.
Carlos Augusto é Historiador, Escritor, Professor e Editor-Chefe do Camocim Pote de Histórias 

Nenhum comentário: